Nova loja online de CDs e LPs de música brasileira e importados de jazz.

Toda Semana reúne em 4 CDs as obras que foram apresentadas nos três dias da Semana da Arte Moderna de 1922. 
Cem anos depois, a Semana de Arte Moderna de 1922 ainda é um tema central nas discussões sobre cultura no Brasil. Tema central que não escapa de polêmicas sazonais sobre seus méritos à época ou sobre seu legado na cultura do país nas décadas que a seguiram.
O compêndio lançado pelo Selo Sesc com as músicas e parte dos textos apresentados nos três dias de festival no Teatro Municipal de São Paulo é o resultado de pesquisas de Claudia Toni, Flávia Camargo Toni e Camila Fresca sobre o evento. Toda Semana: Música e Literatura na Semana de Arte Moderna, oferece novos elementos de análise e fruição daqueles dias na São Paulo de começos do século 20. Dividido em 4 discos, o box se compõe de músicas, poemas e conferências. Longe de encerrar o assunto, é, antes de mais nada, uma fonte para novas pesquisas e uma maneira de desfrutar um certo Modernismo que se gestou entre nós.
Na música, o nome de maior vulto do evento de 1922 foi o então jovem compositor Heitor Villa-Lobos. Se contarmos as peças para piano-solo e canto separadamente, nada menos do que 20 obras de Villa-Lobos, à época com 34 anos, foram interpretadas nos três dias de festivais, mas curiosamente, nenhuma delas foi feita especialmente para a Semana. Entre os intérpretes, quatro pianistas participaram do festival para dar cabo às criações de Villa para diversas combinações de instrumentos, assim como piano solo - Lucília Villa-Lobos, Frutuoso Vianna, Ernani Braga e Guiomar Novaes, mas somente os dois últimos é que tocaram obras solistas.
A ambientação sonora daquela "festa de arte" moderna foi composta também por poemas e conferências. Com as falas sobre arte, articuladores, oradores e agitadores culturais tinham o papel de sintetizar em suas falas o espírito contestador do que se desenrolava no saguão e no palco do teatro. Graça Aranha, Menotti del Picchia, Mário de Andrade apresentaram suas análises sobre a arte que ali se desenhava e manifestava.
Já os poemas de Guilherme de Almeida, Ronald de Carvalho, Luís Aranha, Sérgio Milliet, Tácito de Almeida, Ribeiro Couto, Mário de Andrade e Agenor Barbosa que constam no box foram determinados através do cruzamento de informações (como notícias de jornais e relatos de quem esteve presente em determinado dia) feito pelas pesquisadoras envolvidas no projeto.
Toda Semana tem como intérpretes principais o violinista e maestro Cláudio Cruz e o pianista Cristian Budu e conta ainda com as participações de Ana Valéria Poles (contrabaixo), Antonio Meneses (violoncelo), Claudia Nascimento (flauta), Douglas Braga (saxofone), Homero Velho (barítono), Liuba Kletsova (harpa), Ricardo Ballestero e Ricardo Castro (piano), Mônica Salmaso (canto), Luca Raele (clarinete), Leandro Roverso (celesta), Robson Fonseca, Amanda Martins e Soraya Landim (violinos), Lígia Ferreira e Antonio Salvador (voz), e do Quarteto Carlos Gomes.
(Do release de divulgação)

Formato: livro com 4 CDs (Edição bilíngue português/inglês com 185 páginas)
Lançamento: 03/2022
Selo: Sesc
Dimensões: 14cm x 26cm x 2,5cm
Cód. barras: 7898444702177

Toda Semana: Música e Literatura na Semana de Arte Moderna (4 CDs)

R$108,00
Toda Semana: Música e Literatura na Semana de Arte Moderna (4 CDs) R$108,00
Entregas para o CEP:

Meios de envio

Toda Semana reúne em 4 CDs as obras que foram apresentadas nos três dias da Semana da Arte Moderna de 1922. 
Cem anos depois, a Semana de Arte Moderna de 1922 ainda é um tema central nas discussões sobre cultura no Brasil. Tema central que não escapa de polêmicas sazonais sobre seus méritos à época ou sobre seu legado na cultura do país nas décadas que a seguiram.
O compêndio lançado pelo Selo Sesc com as músicas e parte dos textos apresentados nos três dias de festival no Teatro Municipal de São Paulo é o resultado de pesquisas de Claudia Toni, Flávia Camargo Toni e Camila Fresca sobre o evento. Toda Semana: Música e Literatura na Semana de Arte Moderna, oferece novos elementos de análise e fruição daqueles dias na São Paulo de começos do século 20. Dividido em 4 discos, o box se compõe de músicas, poemas e conferências. Longe de encerrar o assunto, é, antes de mais nada, uma fonte para novas pesquisas e uma maneira de desfrutar um certo Modernismo que se gestou entre nós.
Na música, o nome de maior vulto do evento de 1922 foi o então jovem compositor Heitor Villa-Lobos. Se contarmos as peças para piano-solo e canto separadamente, nada menos do que 20 obras de Villa-Lobos, à época com 34 anos, foram interpretadas nos três dias de festivais, mas curiosamente, nenhuma delas foi feita especialmente para a Semana. Entre os intérpretes, quatro pianistas participaram do festival para dar cabo às criações de Villa para diversas combinações de instrumentos, assim como piano solo - Lucília Villa-Lobos, Frutuoso Vianna, Ernani Braga e Guiomar Novaes, mas somente os dois últimos é que tocaram obras solistas.
A ambientação sonora daquela "festa de arte" moderna foi composta também por poemas e conferências. Com as falas sobre arte, articuladores, oradores e agitadores culturais tinham o papel de sintetizar em suas falas o espírito contestador do que se desenrolava no saguão e no palco do teatro. Graça Aranha, Menotti del Picchia, Mário de Andrade apresentaram suas análises sobre a arte que ali se desenhava e manifestava.
Já os poemas de Guilherme de Almeida, Ronald de Carvalho, Luís Aranha, Sérgio Milliet, Tácito de Almeida, Ribeiro Couto, Mário de Andrade e Agenor Barbosa que constam no box foram determinados através do cruzamento de informações (como notícias de jornais e relatos de quem esteve presente em determinado dia) feito pelas pesquisadoras envolvidas no projeto.
Toda Semana tem como intérpretes principais o violinista e maestro Cláudio Cruz e o pianista Cristian Budu e conta ainda com as participações de Ana Valéria Poles (contrabaixo), Antonio Meneses (violoncelo), Claudia Nascimento (flauta), Douglas Braga (saxofone), Homero Velho (barítono), Liuba Kletsova (harpa), Ricardo Ballestero e Ricardo Castro (piano), Mônica Salmaso (canto), Luca Raele (clarinete), Leandro Roverso (celesta), Robson Fonseca, Amanda Martins e Soraya Landim (violinos), Lígia Ferreira e Antonio Salvador (voz), e do Quarteto Carlos Gomes.
(Do release de divulgação)

Formato: livro com 4 CDs (Edição bilíngue português/inglês com 185 páginas)
Lançamento: 03/2022
Selo: Sesc
Dimensões: 14cm x 26cm x 2,5cm
Cód. barras: 7898444702177